NOITES E VAGALUMES
 

Walking Around
(Pablo Neruda)


Acontece que me canso de meus pés e de minhas unhas,
do meu cabelo e até da minha sombra.
Acontece que me canso de ser homem.

Todavia, seria delicioso
assustar um notário com um lírio cortado
ou matar uma freira com um soco na orelha.
Seria belo
ir pelas ruas com uma faca verde
e aos gritos até morrer de frio.

Passeio calmamente, com olhos, com sapatos,
com fúria e esquecimento,
passo, atravesso escritórios e lojas ortopédicas,
e pátios onde há roupa pendurada num arame:
cuecas, toalhas e camisas que choram
lentas lágrimas sórdidas.



Escrito por erika_poeta às 00h16
[] [envie esta mensagem] []


 
 

NOITES E VAGALUMES -  o livro.

Últimos exemplares! Compre o seu! Vendas pela internet : erikabrit@hotmail.com



Escrito por erika_poeta às 20h27
[] [envie esta mensagem] []


 
 

 

 

DIREI TUDO

 

Não me excita esse tal Direito

Estar direito,

Estado Direito.

E “endireito” o que torto me parece estar.

Não me comove essa tal Justiça

E essa fingida cegueira para receber

Benefício previdente,

Enquanto o Justo operário atiça

As brasas do caldeirão fumegante

Que ao entornar lhe arrancará

A pele sem o devido fator de proteção.

Solar?

É só lá nos recônditos da imaginação

Que meu gozo mora,

Bem lá onde as palavras dançam

E num abraço ébrio criam

Para mim uma canção como aquelas

Ouvidas na Via-Láctea.

Foi lá que vi a Láctea seiva da

Indignação ser fermentada para

Mais tarde sorve-la junto a

Um forte chocolate amargo.

Amarga-me a boca.

Amarga ver que nada está direito.

 

ERIKA JANE RIBEIRO - AO COPIAR MENCIONE A FONTE!


 



Escrito por erika_poeta às 14h03
[] [envie esta mensagem] []


 
 

Mais uma de Florbela Espanca. Assim como os cheiros, sons e imagens, as palavras nos trazem lembranças tontas de momentos valiosos; esse poema leva-me a uma época maravilhosa de minha vida. Um momento de descobertas, encontros, escolhas difíceis, tomadas de decisões inimagináveis... Ao lê-lo, saltam em meus olhos pessoas que marcaram a minha história: Joseane, Renata, Isaura, Raquel,Michel, Cassandra, Cinthia, Carlos, Maurício, Jô, Val, Jacy...tantos outros,as manguiras da FFPP, os violões...e nós!

EU QUERO AMAR PERDIDAMENTE

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente...
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder ... pra me encontrar...

Florbela Espanca



Escrito por erika_poeta às 13h52
[] [envie esta mensagem] []


 
 

Gostaria de compartilhar com vocês a grandiosidade da obra de uma mulher que ousou  transpor as barreiras do seu tempo através da magia e força que emana da poesia:
FLORBELA ESPANCA.

ANSEIOS

Meu doido coração aonde vais,
No teu imenso anseio de liberdade?
Toma cautela com a realidade;
Meu pobre coração olha cais!

Deixa-te estar quietinho! Não amais
A doce quietação da soledade?
Tuas lindas quimeras irreais
Não valem o prazer duma saudade!

Tu chamas ao meu seio, negra prisão!…
Ai, vê lá bem, ó doido coração,
Não te deslumbre o brilho do luar!

Não ´stendas tuas asas para o longe…
Deixa-te estar quietinho, triste monge,
Na paz da tua cela, a soluçar!…

FLORBELA ESPANCA (Flor d’Alma da Conceição Espanca.)


 



Escrito por erika_poeta às 00h34
[] [envie esta mensagem] []


 
 

POEMINHA ANÔNIMO

Quis voar por céus ainda
intocados,
mas na manhã passada,
enquanto dormia, cortaram-me as asas.
Quis então acalentar-me em
manso ninho,
curar as chagas gotejantes,
mas um punhal em ferrugem
varou-me o peito...
Restavam-me as noites
(não ousariam roubá-las de mim),
os braços tenros da escuridão,
o piscar de olhos de cada estrela...
Restavam-me ainda lembranças luminosas
de tantos vagalumes,
vozes de fantasmas companheiros,
cheiros...sons...
Isso, jamais arrancarão de mim,
desses frangalhos que ainda restaram...

ERIKA JANE RIBEIRO -  AO COPIAR MENCIONE A FONTE. PLÁGIO É CRIME!



Escrito por erika_poeta às 00h23
[] [envie esta mensagem] []


 
  14 DE MARÇO DIA NACIONAL DA POESIA.

O Laço de Fita

Não sabes, criança? ´stou louco de amores...

Prendi meus afectos, formosa Pepita.

Mas onde? No templo, no espaço, nas névoas?!

Não rias, prendi-me

Num laço de fita.

Na selva sombria de tuas madeixas,

Nos negros cabelos da moça bonita,

Fingindo a serpente qu'enlaça a folhagem,

Formoso enroscava-se

O laço de fita.

Meu ser, que voava nas luzes da festa,

Qual pássaro bravo, que os ares agita,

Eu vi de repente cativo, submisso

Rolar prisioneiro

Num laço de fita.

E agora enleada na ténue cadeia

Debalde minh'alma se embate, se irrita...

O braço, que rompe cadeias de ferro,

Não quebra teus elos,

Ó laço de fita!

Meu Deus! As falenas têm asas de opala,

Os astros se libram na plaga infinita.

Os anjos repousam nas penas brilhantes...

Mas tu... tens por asas

Um laço de fita.

Há pouco voavas na célere valsa,

Na valsa que anseia, que estua e palpita.

Por que é que tremeste? Não eram meus lábios...

Beijava-te apenas...

Teu laço de fita.

Mas ai! findo o baile, despindo os adornos

N'alcova onde a vela ciosa... crepita,

Talvez da cadeia libertes as tranças

Mas eu... fico preso

No laço de fita.

Pois bem!... Quando um dia na sombra do vale

Abrirem-me a cova... formosa Pepital

Ao menos arranca meus louros da fronte,

E dá-me por c'roa...

Teu laço de fita.

 

Castro Alves nasceu em 14 de Março de 1847, na vila de Curralinho, Bahia.Em 1862 escreveu o poema "A Destruição de Jerusalém", em 1863 "Pesadelo", "Meu Segredo", já inspirado pela actriz Eugénia Câmara, "Cansaço", "Noite de Amor", "A Canção do Africano" e outros.

"A poesia", dizia, "é um sacerdócioseu Deus, o belo — seu tributário, o Poeta." O Poeta derramando sempre uma lágrima sobre as dores do mundo. "É que", acrescentava, "para chorar as dores pequenas, Deus criou a afeiçãochorar a humanidade — a poesia."

 



Escrito por erika_poeta às 15h04
[] [envie esta mensagem] []


 
 

Vamos prosear...
Abrindo um espaço nesse cantinho poético trago-lhes o artigo de opinião MEDALHA DE PRATA da I Olimpíada da Língua Portuguesa, produzido por meu aluno JOSÉ ELLYS,(um exemplo a ser seguido!) para mostrar-lhes O PODER QUE A PALAVRA TEM!

Transposiçao: razao ou emoçao?

Aluno: José Ellys Evangelista Silva de Andrade

 Estamos vivendo um processo de crescimento satisfatório para a economiaregional e nacional. Um desses processos envolve a única fonte de vida demilhões de nordestinos, especialmente os petrolinenses: o rio São Francisco.Uma beleza indecifrável pelos poetas e cantores que idolatram a perfeição,a cultura e a saga dessa maravilha natural manifestada nos cordéis e nasobras musicais.
Transposição, uma palavra, motivo de muitos calafrios entre a população ribeirinha, que ecoa de forma diferente no ouvido daqueles que anseiam por uma nova expectativa de vida. Para alguns o fim; já para outros, a salvação. E é essa duplicidade de significados que confunde a cabeça de uma parcela da sociedade brasileira, que se divide entre discordar e concordar com essa obra. A realidade é a seguinte: a transposição é necessária, porém inadequada devido à falta de cuidados dos próprios ribeirinhos; talvez se o rio não se encontrasse tão degradado, esse problema já estaria resolvido sem revoltas, greves de fome e falta de consciência por ambas as partes, tanto dos contra quanto dos favoráveis a essa obra polêmica que enfoca uma disputa entre a razão – defendida pelas famílias que buscam melhorias ao adquirir água potável – e a emoção de quem busca a proteção contra qualquer tipo de obra que não seja de revitalização.
Meses atrás foi possível acompanhar pela imprensa a luta do bispo Dom Luís Cappio, que enfrentou dias de greve de fome, recebendo o apoio dos esquerdistas contrários à obra. Estes consideraram a greve como um grande ato heróico; para outros foi um tremendo exagero inútil, pois governo nenhum desconsideraria um investimento milionário por apenas um indivíduo revoltado que resolveu agir.
Pode até ser estranho, querido leitor, mas eu, como um cidadão ribeirinho, sou a favor dessa obra. Defendo o lado da razão, isso porque já vi de perto o quanto é penosa a vida de quem anda quilômetros para ter em casa a água para fazer o café da família. Viajo pelo interior do meu município e tenho convicção do que
digo: a transposição é um meio de melhorar vidas.
Já no que se refere à destruição do rio, penso que deverão ser elaboradas metas de prevenção e revitalização, desbancando assim o comodismo das pessoas.
O pensamento dos “antitransposição” é ter o rio, quando o necessário é mantê-lo vivo, pensar na ação de hoje e não na possível conseqüência de anos à frente. Por isso apóio a transposição desde que haja revitalização, pois o Nordeste vai melhorar com essa obra. Não é dúvida, é certeza.

Professora responsável: Erika Jane Ribeiro

 



Escrito por erika_poeta às 19h23
[] [envie esta mensagem] []


 
 

UMBUZEIRO É VIDA

 

Tem suas origens no agreste

Caatinga e cariris

A árvores que “dá de beber”

Na língua tupi guarani.

 

É o potente umbuzeiro

De mil e uma aptidão

Suas túberas armazenam água

Por mais árido que seja o chão.

 

Sua copa arredondada

Tem muita sombra pra dar

Ao vaqueiro, ao viajante

A quem quiser repousar.

 

Vocês precisam ver

Na época da floração

Por serem flores melíferas

Chega até dar confusão.

São várias espécies de abelhas,

Enxames em mutirão.

 

O fruto? Ah, esta drupa gostosa

De incomparável sabor,

Que satisfaz do menino

Ao refinado doutor

E através dela, nosso querido sertão

Até à França chegou.

 

FÁTIMA RIBEIRO   (Minha mãe!)



Escrito por erika_poeta às 13h42
[] [envie esta mensagem] []


 
 

Caros visitantes, compartilho com vocês o que há de
mais belo e completo nessa nossa existência rápida:
A magia das palavras!
Ninguém melhor que Manuel Bandeira para "dizer" a vida
que há nas palavras.

Belo Belo I

MANUEL BANDEIRA

Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.
Tenho o fogo de constelações extintas há milênios.
E o risco brevíssimo — que foi? passou — de tantas estrelas cadentes.
A aurora apaga-se,
E eu guardo as mais puras lágrimas da aurora.
O dia vem, e dia adentro
Continuo a possuir o segredo grande da noite.
Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.
Não quero o êxtase nem os tormentos.
Não quero o que a terra só dá com trabalho.
As dádivas dos anjos são inaproveitáveis:
Os anjos não compreendem os homens.
Não quero amar,
Não quero ser amado.
Não quero combater,
Não quero ser soldado.

— Quero a delícia de poder sentir as coisas mais simples.

 



Escrito por erika_poeta às 01h22
[] [envie esta mensagem] []


 
 

                                                                                                              

“TRANSPORTAMOS MUDANÇAS”

 

Mudo como mudam as flores,

Tal qual silenciam os homens,

Ou como quem gesticula atos.

Mudo como mudam as luas,

Como amordaçam as vozes,

Semelhante a quem finge toques.

Mudo!

Troco posições,

Reformo desejos; arranco-lhes uma gotinha

Extra de insanidade.

Mudo!

Alugo sorrisos,

Troco espera tola por amargos desenganos.

E mudo!

Silencio o pranto;

Decepo a língua de uma saudadezinha qualquer.

E calo!

Enrijeço perpetuamente corações.

Mudo?

Será que também ensurdeço, ou permaneço aqui

Por mais uma temporada?

 

ERIKA RIBEIRO - Pode copiar, mas MENCIONE A AUTORIA.



Escrito por erika_poeta às 00h27
[] [envie esta mensagem] []


 
 

 

NORDESTE DE LUTA

             (Cordel –                Fátima Ribeiro)

 

Nordeste terra querida

De pessoas de valor

Berço de mulher guerreira

E homem forte, lutador.

 

O sistema em nosso país

Muitas vezes é cruel,

Pois ainda querem aplicar

As leis de coronel.

 

Desigualdade social

Calúnia e difamação

Foram alguns do motivo

Que fez nascer Lampião.

 

Lampião e Conselheiro

Apenas queriam mudar

Acabar com as injustiças,

Uma sociedade igualitária formar,

Mas governantes da época levaram

Seus ideais a outro rumo tomar.

 

Aos seguidores de Conselheiro

E ao bando de Lampião

Quero prestar homenagem pela determinação
Saudar todos heróis que viveram aqui no Sertão.

 

( Cordel escrito por minha mãe, FÁTIMA RIBEIRO, grande figura!!)



Escrito por erika_poeta às 00h12
[] [envie esta mensagem] []


 
 

Música...
alimento da alma,combustível da vida, travesseiro dos sonhos...
No dicionário Aurélio :"Arte e ciência de combinar os sons de modo agradável ao ouvido."
Na grande mídia, o que ouvimos com o pseudônimo de música, tá longe de ser agradável aos ouvidos
como sabiamente definiu Aurélio Buarque de Holanda em seu dicionário.(Salvo exceções!)

E em matéria de exceções, são muitas as MÚSICAS, mas infelizmente pouco ouvidas pelo grande público.Eis
aqui uma das milhares que temos. Música! Isso é música sim senhor!
E para você, o que é a música?

Fadas

Luiz Melodia

Composição: Luiz Melodia

Devo de ir, fadas
Inseto voa em cego sem direção
Eu bem te vi, nada
Ou fada borboleta, ou fada canção

As ilusões fartas
A fada com varinha virei condão
Rabo de pipa, olho de vidro
Pra suportar uma costela de Adão

Um toque de sonhar sozinho
Te leva a qualquer direção
De flauta, remo ou moinho
De passo a passo passo...

 http://www.youtube.com/watch?v=QKuXIjNNhHU&eurl=http://letras.terra.com.br/luiz-melodia/47112/



Escrito por erika_poeta às 22h50
[] [envie esta mensagem] []


 
 

ÚLTIMOS EXEMPLARES DE NOITES E VAGALUMES.
COMPRE JÁ O SEU!

EM BREVE NOVO LIVRO.



Escrito por erika_poeta às 23h52
[] [envie esta mensagem] []


 
 

 

 

NOSSA UTOPIA

 (Aos 100 anos da resistência de Canudos)

 

Cânticos que soam dos cantos de

Um lago sacrificador de vidas,

Ainda é o eco que repete os gemidos

E gritos de súplicas pelas terras de ninguém.

Nos confins das águas renasce a história viva

De um povo massacrado,

Ressurge com ela os ideais de luta

Pela própria vida que deles fora arrancada,

Luta pela liberdade.

Ainda é tempo de batalha sem canhões,

Fuzis ou carabinas,

Mas sim com a força do sertanejo e

A fé que emana dos olhos que brilham.

Dos cantos escuros

Onde perpetuaram a morte escondendo-a

Nos escombros e ribanceiras,

A vida é recriada pela própria natureza

Que teima em procriar o verde acinzentado dos cactos.

Das águas encantadas emerge segura e viva

A utopia da libertação, qual canto de pássaros;

É a voz de um povo que não pôde gritar

Pela paz, a igualdade,

A vida sem escravidão,

Mas que hoje é ouvida pelos cantos

Em forma de cânticos.

 

 ERIKA JANE

DO LIVRO NOITES E VAGALUMES  - ADQUIRA O SEU- ÚLTIMOS EXEMPLARES.

Escrito por erika_poeta às 18h33
[] [envie esta mensagem] []


 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
 



Meu perfil
BRASIL, Nordeste, UAUA, JUAZEIRO, Mulher



HISTÓRICO



OUTROS SITES
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!